Sábado, 13 de Agosto de 2011

“Há homens que lutam um dia, e são bons;
Há outros que lutam um ano, e são melhores;
Há aqueles que lutam muitos anos, e são muito bons;
Porém há os que lutam toda a vida
Estes são os imprescindíveis”
Bertold Brecht


O Homem só é homem no seu conceito de “intelectual lutador”, quando na projecção da sua mente, duma forma espontânea, não premeditada e inocente, vive na ambição da evolução do ser humano, duma forma justa, sem ter a retaguarda o visual, o protagonismo ou a superficialidade.

Nas nossas mentes existe uma imensidão de pensamentos e ideias que passam momentaneamente no percurso diário.
Ideias que nascem e estão na rotina do pensamento humano, basta o uso do raciocínio humano e a reflexão.

Assim sendo temos ideias sempre presentes, e tantas vezes é só aprofundá-las para encontrar uma solução.

Como referi nas duas crónicas anteriores, o nosso bem estar é desfrutar os vários momentos ao longo do dia, pois que o tempo não para, e devemos deixá-lo que leve o que lhe pertence, apenas sobrando o que só importa para continuar a viver. 
O passado? Falhamos em algo? Poderíamos ter sido mais audazes, persistentes, determinados?

Quase todos nós adjectivamos constantemente no nosso pensar: arrependimento constante do que se fez, do que falhou, do que deveria ter sido feito melhor.
Isto é viver sofrendo perseverantemente o passado.
O passado já não existe, evoluímos no dia a dia. Lamentações dos insucessos do passado quando muitos mais outros surgirão no futuro?

A nossa sociedade hoje tornou-se muito crítica, tudo reivindica, ouvindo-se persistentemente a palavra “descontentamento”.

É fácil reclamar, difícil é encontrar soluções.
Hoje, com o dito “mundo virtual”, a “fartura” , “perca do sentido de dever e patriotismo”, “o desrespeito”, deixou de haver em muitos as Ideias, pensamentos reflectidos e acção.
A indolência física e mental passou a prevalecer em muitos; acabou por ser neste perfil de sociedade uma segurança para esses “coitadinhos”: assim vivem seguros, não correm riscos de insucessos e não arriscam.

São estes os que estão certos? É este o comprometimento a assumir com a sociedade?
É bonita a resignação de ideias? Da investigação?
Da preguiça na inovação? Só reclamar?

A sociedade tem de evoluir neste contexto, ir ao encontro desta morbilidade de muitos e criar mecanismos nestes de responsabilidade, cidadania, e mudança nessas pobrezinhas mentes.
É que vivemos em Democracia e uma das bases da democracia é a “cidadania”, a “partilha”, agindo com consciência e vontade.

 

Preocupam-nos os jovens, o futuro da humanidade, onde muitos já desde lactentes idade até final dos cursos, estão institucionalizados nas creches e escolas, afastados do “ambiente familiar” com convívios apenas “com colegas em situações semelhantes”, e conclusão?
Não constroem os seus ideais e opiniões, estando sujeitos à determinação da “filosofia dos grupos” .
Será que não nos apercebemos que este método de “educação” está a abstrair e a marginalizar as mentes dos jovens?

Atenção à falta duma verdadeira formação e valores que os jovens devem adquirir. A construção defeituosa da sua personalidade, e a consequente perca critica de análise e autodeterminação, susceptibiliza-os a serem liderados por grupos, tantas vezes “anti-sociais” e radicais”.

O tema principal das notícias da actualidade é “a crise económica” e estão já a ser adoptadas as medidas de contenção para a resolução do problema, que atinge a maioria dos Portugueses, e esta questão dos jovens?
Os riscos que correm de serem liderados por grupos minoritários? (o que se está a passar na Inglaterra?)

O Estado, que deve ser representado pelos homens de bem, da cultura, de respeito e exemplos de cidadania, tem de tomar posições: repor a verdadeira e tradicional cultura nas mentes dos jovens, instituir nas sua frágeis mentes a capacidade de luta intelectual e aprazar à reprovação dos seus “líderes idiotas”.  Quebrar este grande erasmo colectivo bem visível nos jovens: a preguiça e o desinteresse.
Terrível, o ser humano, que nasce puro e imaculado, com uma mente sem “informação” e “codificação”, apenas com os “instintos natos”, é a própria sociedade que o educa e corrompe.

Terrível, o ser humano a tornar-se predador de si próprio.
Terrível, a ideia do que fazemos estar sempre certa, sermos a perfeição, é o orgulho, o subproduto da sociedade contemporânea.
Tenho um conclusão, já a possuo na mente há anos: somos mais felizes quando encaramos os medos sem superstições, quando paramos para reflectir, quando “por vezes” damos a cara para bater, ou quando somos humildes.

Mudar o País, mudar as mentes, e reafirmar trajectórias culturais, a todos pertence e a escolha é nossa
-ser-mos lutadores ou coitadinhos
-ser-mos activos persistentes e construtivos na sociedade, ou
-esperar que os dias passem depressa, para a morte rápido chegar.


Lutar, lutar com civismo e cidadania, ter objectivos e escolhas de vida, ser-se determinado.

Pensar, sonhar, estimular a mente...
No interior de cada ser Humano, há sempre um pensador com ideias positivas geniais.



publicado por valores-do-douro-sul às 15:42 | link do post | comentar

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

Rancho Folclórico de Arna...

A feira Aquiliniana da La...

Barqueiros, o Douro e o C...

Voltando às lagaradas de ...

Da estação da Alegria no ...

As Lagaradas de Celeirós ...

Linha férrea do Douro: da...

Favaios, festa vinhateira...

O Grupo de concertinas de...

O Vesúvio no Douro

Linha do Douro entre Arno...

Homens de Portugal

Os Bailes

A Roga de Provesende

A festa vinhateira de Bar...

Grupo Musical Duriense "A...

Grupo de tocadores de con...

O Grupo de Cantares de Ba...

Esta noite é de Janeiras ...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Jazz - tributo a Benny Go...

Marcha do concelho de Tab...

O Hino da Banda de Sendim...

Banda Filarmónica de Lal...

Tuna de Tabuaço - interpr...

Património Imaterial do D...

Um casal bem disposto - a...

Coro da Santa Casa da Mis...

O Grupo de Cantares de Ba...

Os bombos e Gigantones na...

Primavera no Vale da Ferr...

O Douro e a Orquestra lig...

O Douro e a Orquestra lig...

O comboio histórico do Do...

A orquestra de Medrões e ...

Venham visitar o nosso Do...

Um passeio de eléctrico n...

Ourém, a Via Sacra - 2ª p...

Ourém, a Via Sacra - 1ª p...

Um passeio pela Régua, Co...

O grupo de cantares de Fo...

O Inverno na Barragem de ...

A Queima do Diabo em Brag...

O Carnaval dos caretos em...

As rusgas nas Feiras Nova...

Feiras Novas em Ponte de ...

tags

"grupo de cantares de s. miguel"

11 de setembro

a crise de valores

a estação de caminhos de ferro do vesúvi

a luta

a sé e a srª dos remédios

a vida

accordeonista

alexandre fandino

alma feminina

almas do douro

alto da escrita

amigos

amizade

andar a pé

antónio cabral do douro

antónio canotilho

arcozelo da torre

armamar

arnas

associação cultural rio távora

associação de acordeonistas do távora e

banda filarmónica de lalim

banda filarmónica de nagoselo do douro

banda filarmónica de pinhel

barco douro

barco moliceiro

barcos

barcos tabuaço

barqueiros e o douro

barragem de bagaúste

barragem do vilar

barragens do douro

bombos barcos

caça fotográfica

caminhar

cantadores de janeiras

cantadores de janeiras de s. marta de pe

cantigas populares

caretos de bragança

carnaval de bragança

carnaval de lazarim

carrazeda de anciães

castelo

castelo de ourém

cavalhadas de vildemoinhos

ciclovia do dão

cidadania; civismo

coimbra e o mondego

coisas simples da vida

comboio a vapor

comboio a vapor do douro

comboio do douro

comboio histórico do douro

comboio régua a lamego

comboio vapor

concertinas de riodades

concerto de amor

contadores de histórias do douro

coração do porto

coro santa casa misericórdia matosinhos

covelinhas

covelinhas e pinhão

crueldade

cultura no douro sul; turismo no douro s

douro

douro vinhateiro

farminhão

feira aquilineana da lapa

feiras novas

ferradosa

festa vinhateira de barcos

festas

folclore

granjal

grupo coral de barcos

grupo de cantares de constantim

grupo de cantares de fornelos

grupo de cantares de vila real

hino

lamego

linha do douro

moimenta da beira

nossa senhora da agonia

nossa senhora do sabroso

orquestra ligeira câmara tarouca

penedono

pinhão

ponte de lima

procissão do mar

rede

ribeira do porto

riodades

santa marta de penaguião

são joão da pesqueira

sernancelhe

tabuaço

tuna de tabuaço

via sacra de ourém

vila da ponte

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...