Sábado, 17 de Setembro de 2011

Um blog pode definir a personalidade do autor, os seus gostos, a alma, os sentimentos, a forma de estar, as ambições... o seu mundo.
Assim sendo, um blog pode ser a manifestação das tendências e cultura do seu autor, das sensibilidades e sentido da vida, do estado emocional à visão do seu mundo.

Estando ligado ao comportamento bio-psico-social do ser humano, presumo que no contexto referido estarei em condições duma autocrítica sobre a sensibilidade do autor do presente Blog:
- amante da primeira revolução industrial, muito retratada em filmes com cenários do comboio a vapor
- um seduzido em aproveitar a tecnologia informática, não só para o ambiente profissional aqui não divulgado, mas para apresentações em cenários de filme ou fotografia de valores culturais que sensibilizam, e dirigidos ao mundo dos internautas.

- afectuoso e defensor dos valores da vida, da sociedade, da ética e do moral.
- um critico severo às leviandades do ser humano, mais propriamente àqueles, que usando as influencias e o poder em seu benefício, rejeitam a partilha e sensibilidade do próximo, a sensibilidade e cultura humana, e ao cair no abismo da omnipotência e autismo, prejudicam severamente, pessoas, cultura e dinâminas institucionais.

- um carinho especial pelas tradições, cultura popular, e grupos recreativos da sociedade portuguesa, mais propriamente beirã.
- um fascinado pela vitalidade da natureza, a sua flora e fauna, os contrastes coloridos observados em diferentes estações do ano, mas sobretudo uma exacerbada paixão de todos os espaços sob a influência do Douro.
- um dependente e altamente sensível aos amigos íntimos, poucos, a contarem-se pelos dedos, mas que influem no comportamento do dia a dia.
- Mas, escondido na personalidade e nestes trabalhos, a admiração à grande obra de Deus: a alma feminina

 

A obra-prima de Deus - a alma feminina

Sentimos hoje uma profunda modificação de comportamentos e estilos de vida do ser feminino. Mas foi fundamentalmente por um atributo a grande conquista: independência.

Porquê uma transformação tão grande do seu perfil na sociedade, sentida sobretudo a partir da década de 60 do século passado em Portugal? Concretamente conhecemos alguns factores determinantes que assentaram definitivamente esta realidade:
a revolução da pílula e a luta pela equidade dos direitos da mulher.
Foi assim que passou a ser independente, determinada, dando a prevalecer na comunidade a sua opinião, e algumas vezes um poder dominante sobre o homem, que é visível na conquista de cargos executivos ou lugares de mérito na sociedade.

Mas...     será que a sensibilidade profunda feminina corresponde mesmo a este espírito de luta audaz  e de interferência sobre determinações importantes da sociedade, ou... será o contrario?
Ou então...   é-o mesmo, mas para quem?

Como é que muitos de nós homens, lidando profissionalmente com a mulher na rotina do dia a dia sentimos a dinâmica da sua alma imensa?
Terna e delicada, cuidadora do seu corpo e aparência, toque de pintura na face e perfume vistoso, fantasias de colares ou anéis a requintar, roupas vistosas, sempre... a fazer prevalecer a feminilidade.

É encantador sentir na mulher a virtude em se cuidar com requinte e adornos muito a condizer.
Todavia, o que mais sensibiliza na mulher é a leveza que emana, a criar um à-vontade contagiante quando se depara com ambiente favorável.
A receptividade ao próximo é um outro atributo que perdura na sua mente: verdadeiras psicólogas naturais, com um à vontade tal, que, ao abrir a alma clara e atenciosa ao próximo, transmite uma espontaneidade natural, a criar momentos ímpares na partilha de palavras.
Uma outra característica que a demarca é força psicológica interna que a bem formou a enfrentar os diferentes cenários da dor, desde a física à psicológica.
Tantas vezes que sentimos a airosidade solta feminina a chorar despercebidamente ao sofrimento, mas de imediato a erguer-se da forma mais elegante e continuar com a pureza do instinto.

É assim que sinto a mulher, percepção negada pelos insensíveis e desatentos, porque na sociedade em geral, parte das vezes, não pode assumir a nata ternura espontânea e sensível.
É a sua defesa natural pela força da independência que patenteia.
É que esta, fora do seu habitat, mercê da fragilidade física feminina, sente-se frágil, chorando sem exprimir o porquê do sofrer, apresentando-se reservada, pois sente-se insegura ao ser delicada, porque tem medo de não ser respeitada. Por defesa fecha-se e esconde momentaneamente a delicadeza, para que a sociedade acredite nela, embora lá no íntimo, se sinta fraca e sensível.

O compromisso do casamento e da procriação, não obstam à mulher moderna a sua independência.
O que determina a sua autonomia é a capacidade na escolha e planeamento das decisões. É esta conquista que a torna mais feminina evitando a negação dolorosa.
Se antigamente se sentia oprimida por maus tratos ou falta de poder de decisão consequência de determinações culturais, hoje têm condições de não se impedir em concretizar todos as intuições e talentos que  a caracterizam e a podem demarcar.

 



publicado por valores-do-douro-sul às 09:44 | link do post | comentar

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

Novo blog VALORES LUSIT...

O Grupo de Cantares de Ba...

Os bombos e Gigantones na...

Primavera no Vale da Ferr...

O Douro e a Orquestra lig...

O Douro e a Orquestra lig...

O comboio histórico do Do...

A orquestra de Medrões e ...

Venham visitar o nosso Do...

Um passeio de eléctrico n...

Ourém, a Via Sacra - 2ª p...

Ourém, a Via Sacra - 1ª p...

Um passeio pela Régua, Co...

O grupo de cantares de Fo...

O Inverno na Barragem de ...

A Queima do Diabo em Brag...

O Carnaval dos caretos em...

As rusgas nas Feiras Nova...

Feiras Novas em Ponte de ...

A Vila mais antiga de Por...

Cavalhadas de Vildemoinho...

Festa religiosa de S. Joã...

Grupo de cantares de Farm...

Grupo Folclórico, Associa...

Passeio em Dezembro entre...

A estações ribeirinhas do...

O Douro em Arnozelo (V. N...

Banda Filarmónica de Nago...

Natal 2012, a banda filar...

As estações de Numão e Ve...

O Outono no Douro

Grupo de cantares de Barc...

O Outono no Pinhão

O Médico de família, médi...

A romaria da Senhora da A...

A romaria da Senhora da A...

A ribeira do Douro, no Po...

Covelinhas 2012

Regresso ao Século XX na ...

Caramulo, Tondela, a Fest...

a Linha do Vouga

Naia Tondela, o rancho fo...

Parque da cidade de Tonde...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

tags

11 de setembro(1)

a crise de valores(1)

a estação de caminhos de ferro do vesúvi(1)

a luta(1)

a sé e a srª dos remédios(1)

a vida(1)

accordeonista(1)

alexandre fandino(1)

alma feminina(1)

almas do douro(1)

amigos(1)

amizade(1)

andar a pé(1)

antónio canotilho(23)

arcozelo da torre(2)

armamar(1)

arnas(1)

associação cultural rio távora(1)

associação de acordeonistas do távora e (1)

banda filarmónica de nagoselo do douro(2)

banda filarmónica de pinhel(1)

barco douro(1)

barco moliceiro(1)

barcos(6)

barcos tabuaço(3)

barragem de bagaúste(1)

barragem do vilar(1)

barragens do douro(1)

bombos barcos(1)

caça fotográfica(1)

caminhar(1)

cantigas populares(2)

caretos de bragança(1)

carnaval de bragança(2)

carnaval de lazarim(2)

carrazeda de anciães(1)

castelo(1)

castelo de ourém(1)

cavalhadas de vildemoinhos(1)

ciclovia do dão(7)

cidadania; civismo(1)

coimbra e o mondego(1)

coisas simples da vida(1)

comboio a vapor(3)

comboio a vapor do douro(4)

comboio do douro(1)

comboio histórico do douro(1)

comboio régua a lamego(1)

comboio vapor(1)

coração do porto(1)

covelinhas(1)

covelinhas e pinhão(1)

crueldade(1)

cultura no douro sul; turismo no douro s(1)

custoias(1)

desporto através da fotografia(1)

dignidade(1)

douro(3)

douro no inverno; um passeio de valença (1)

douro vinhateiro(2)

eléctrico do porto(1)

encontro de família(1)

ermida(1)

escola eb(1)

escola eb são joão da pesqueira(1)

estações ribeirinhas do douro entre most(1)

estrelas de pinhel(1)

fado popular(1)

faia(1)

farminhão(2)

feira aquilineana da lapa(2)

feiras novas(2)

ferradosa(2)

festa vinhateira de barcos(2)

festas(3)

folclore(4)

granjal(2)

grupo coral de barcos(4)

grupo de cantares de constantim(2)

grupo de cantares de fornelos(2)

grupo de cantares de vila real(2)

hino(3)

lamego(2)

linha do douro(2)

moimenta da beira(5)

nossa senhora da agonia(2)

nossa senhora do sabroso(2)

orquestra ligeira câmara tarouca(2)

penedono(2)

pinhão(3)

ponte de lima(3)

procissão do mar(2)

rede(2)

ribeira do porto(2)

riodades(3)

são joão da pesqueira(6)

sernancelhe(7)

tabuaço(4)

via sacra de ourém(2)

vila da ponte(2)

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...