Terça-feira, 30 de Setembro de 2008

Durante todo o ano Barcos anseia pela chegada do mês de Agosto.

Sente-se.

Ao longo de todo este tempo há como que o acumular de uma energia potencial que é desejada e que renova o ânimo das gentes desta antiga Vila.

Barcos, que afinal pertence ao Douro, o Douro património da humanidade, do reconhecido vinho do Porto, Barcos com o seu rico património medieval e as imponentes habitações da época moderna entra em animada festa!

 

Antecipam-se dias de férias, condiciona-se o tráfego ao centro do agradável conjunto urbanístico em redor da Igreja Matriz, montam-se vigas para o palco em frente à antiga sede da colegiada.

Ao redor do Santuário de Santa Maria do Sabroso monta-se um gigantesco palco com poderosos altifalantes para acolher o conjunto musical e a imensidão de jovens que virão disfrutar os bailaricos nos dias festivos.

A comissão de festas monta a sua barraquinhas para dar assistência de comes e bebes na festa.

No largo da Igreja Matriz já na aldeia, classificada de monumento nacional montam-se as hastes das bandeiras (Nacional, do Concelho, e de Barcos) que irão ser içadas na manhã de 15 de Agosto pelo Sr. Presidente da Câmara de Tabuaço, Srª Vereadora da cultura e Sr. Presidente da Junta de Freguesia da aldeia, assinalando então o início das festas.

 

As ruas, recheadas de diversas edificações medievais, grandiosas habitações e todo o casario mais humilde muito colorido e alindado, interligado-se com a calçada muito bem concebida, vivem e comungam da azáfama e grande burburinho de preparativos para os grandes festejos.

Faz sentido todo este aparato: é consagrada homenagem a Nossa Senhora do Sabroso, santa Padroeira de Barcos juntamente com a festa de Santa Bárbara no lugar do Sabroso e onde se revive em simultâneo muito intensamente as tradições e costumes da aldeia, especialmente no dia de Santa Bárbara a nomeação da Priora da festa

Os dias 15, 16 e 17 de Agosto neste ano, são os de maior fulgor e significado destas festividades.

E chega-nos a sexta-feira dia 15. A manhã acordada pela banda de música que passa pelas principais ruas da aldeia com os sons do tambor, do saxofone, flautas e os demais instrumentos caminhando a uma vertiginosa velocidade que ajusta os batimentos do nosso coração fazendo ressoar em crescendo, por todo o corpo, como acontece naqueles espaços onde o vazio ocupa um lugar largo.

E começam a aglutinar-se pessoas, com os seus melhores trajes, senhoras elegantes cujos saltos desafiam os espaços da calçada, famílias inteiras, simpatizantes, amigos, turistas...

Vai-se dar o início da cerimónia do içar das bandeiras ao som do Hino Nacional tocado pela Banda Filarmónica.

Depois a procissão de 3 Km em direcção à Nossa Senhora do Sabroso, pela estrada, tendo como panorama à distância o vale do Douro e os lençóis de vinhas cobrindo montes inteiros e tão bem tratadas que mais parecem jardins tratados.

O povo de Barcos caminha lentamente, de abraços com o coração da sua cultura, com o símbolo na comunidade visível, esta mesma que mantém a tradição e a celebra numa matiz onde o sagrado e o profano se cruzam, onde as gentes da terra caminham em procissão atrás da corte celeste qual paráfrase da vida.  

E assim se cumpriu a procissão da manhã. Seguiu-se missa campal.

Às dezasseis horas as pessoas obedecem ao clamar dos foguetes e arma-se então a procissão a caminho da aldeia e Igreja Matriz.

A procissão chega à aldeia.


Assomam-se nalgumas varandas, bonitas colchas algumas bordadas talvez por mãos antigas. Numa janela, uma velhinha lança pétalas de rosa aos figurinos da procissão. Aglomera-se gente à beira da estrada e em lugares à sombra, cadeirinhas desdobráveis dos prevenidos a quem o tempo pesa mais nas pernas.

Ao passar a procissão, misturam-se o cheiro das flores frescas dum andor com o do perfume fino das belas meninas que fazem parte da comitiva e cerimonial; as belas músicas da banda que se ouvem pelo desfile; o murmurar das rezas de alguns peregrinos e o rebentar esporádico dos foguetes.


Caminham lado a lado representantes de diferentes opiniões, seguram os andores rapazes e lindas raparigas. O polícia também lá vai, a controlar o trânsito; está lá a senhora vereadora da cultura de Tabuaço, o antigo calceteiro da Câmara o responsável máximo da DOUROMEL e o do Banco da Vila; o turista curioso, o cigano a vender pipocas e algodão de açúcar. Todos. Tantos.

A comunidade que se une e reúne e que caminha palpitante bombeada pelas ruas como o sangue que circula pelas veias a partir do coração através de um trajecto que de novo a ele retoma.

Também nós, amigos e simpatizantes, partimos do coração desta comunidade, seguimos também as passadas destas imagens bíblicas da procissão que representam virtudes e valiosos ensinamentos, com a Igreja, símbolo de um povo reunido pela fé.  



publicado por valores-do-douro-sul às 20:39 | link do post | comentar

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

Rancho Folclórico de Arna...

A feira Aquiliniana da La...

Barqueiros, o Douro e o C...

Voltando às lagaradas de ...

Da estação da Alegria no ...

As Lagaradas de Celeirós ...

Linha férrea do Douro: da...

Favaios, festa vinhateira...

O Grupo de concertinas de...

O Vesúvio no Douro

Linha do Douro entre Arno...

Homens de Portugal

Os Bailes

A Roga de Provesende

A festa vinhateira de Bar...

Grupo Musical Duriense "A...

Grupo de tocadores de con...

O Grupo de Cantares de Ba...

Esta noite é de Janeiras ...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Jazz - tributo a Benny Go...

Marcha do concelho de Tab...

O Hino da Banda de Sendim...

Banda Filarmónica de Lal...

Tuna de Tabuaço - interpr...

Património Imaterial do D...

Um casal bem disposto - a...

Coro da Santa Casa da Mis...

O Grupo de Cantares de Ba...

Os bombos e Gigantones na...

Primavera no Vale da Ferr...

O Douro e a Orquestra lig...

O Douro e a Orquestra lig...

O comboio histórico do Do...

A orquestra de Medrões e ...

Venham visitar o nosso Do...

Um passeio de eléctrico n...

Ourém, a Via Sacra - 2ª p...

Ourém, a Via Sacra - 1ª p...

Um passeio pela Régua, Co...

O grupo de cantares de Fo...

O Inverno na Barragem de ...

A Queima do Diabo em Brag...

O Carnaval dos caretos em...

As rusgas nas Feiras Nova...

Feiras Novas em Ponte de ...

tags

"grupo de cantares de s. miguel"

11 de setembro

a crise de valores

a estação de caminhos de ferro do vesúvi

a luta

a sé e a srª dos remédios

a vida

accordeonista

alexandre fandino

alma feminina

almas do douro

alto da escrita

amigos

amizade

andar a pé

antónio cabral do douro

antónio canotilho

arcozelo da torre

armamar

arnas

associação cultural rio távora

associação de acordeonistas do távora e

banda filarmónica de lalim

banda filarmónica de nagoselo do douro

banda filarmónica de pinhel

barco douro

barco moliceiro

barcos

barcos tabuaço

barqueiros e o douro

barragem de bagaúste

barragem do vilar

barragens do douro

bombos barcos

caça fotográfica

caminhar

cantadores de janeiras

cantadores de janeiras de s. marta de pe

cantigas populares

caretos de bragança

carnaval de bragança

carnaval de lazarim

carrazeda de anciães

castelo

castelo de ourém

cavalhadas de vildemoinhos

ciclovia do dão

cidadania; civismo

coimbra e o mondego

coisas simples da vida

comboio a vapor

comboio a vapor do douro

comboio do douro

comboio histórico do douro

comboio régua a lamego

comboio vapor

concertinas de riodades

concerto de amor

contadores de histórias do douro

coração do porto

coro santa casa misericórdia matosinhos

covelinhas

covelinhas e pinhão

crueldade

cultura no douro sul; turismo no douro s

douro

douro vinhateiro

farminhão

feira aquilineana da lapa

feiras novas

ferradosa

festa vinhateira de barcos

festas

folclore

granjal

grupo coral de barcos

grupo de cantares de constantim

grupo de cantares de fornelos

grupo de cantares de vila real

hino

lamego

linha do douro

moimenta da beira

nossa senhora da agonia

nossa senhora do sabroso

orquestra ligeira câmara tarouca

penedono

pinhão

ponte de lima

procissão do mar

rede

ribeira do porto

riodades

santa marta de penaguião

são joão da pesqueira

sernancelhe

tabuaço

tuna de tabuaço

via sacra de ourém

vila da ponte

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...