Sexta-feira, 14 de Outubro de 2011

Rio Douro acima, poucos quilómetros a montante da Régua surge a barragem de Bagaúste, a proporcionar um agradável espelho de água no vale do Douro, propício a desportos náuticos, oferencendo interessantes reflexos das várias montanhas envolventes.

E é na margem direita, a cerca de 10.000 metros de Bagaúste que vamos encontrar a aldeia de Covelinhas, freguesia da Régua.
E é em Covelinhas que a largura do espelho de água proporcionado pela represa de Bagaúste atinge as maiores proporções, denotando-se do outro lado da margem, a aldeia de Folgosa do concelho de Armamar.

A sinuosa estrada que nos transporta à aldeia, é já o convite para o distinto cenário onde metro a metro, nos deparamos com uma natureza em plenitude e harmonia, conjugando-se muito bem a rusticidade das paisagens e a perfeição de alinhamentos extraordinários.

O Rio Douro, amansado pela barragem mostra-se pacífico, as montanhas e o céu reflectem-se deslumbrantemente sobre o espelho de água e esta, em acalmia serve de agente catalisador a reflexões que conduzem qualquer um à paz e inspiração.

O silêncio fala-nos da labuta do homem, que ao longo dos séculos desbravou esta imensidão de montanhas, transformando-as num condimentado mar de vinhedos muito bem seguros por socalcos de xisto em harmonia perfeita com a paisagem.

O silêncio leva-nos ao tempo em que as águas do Douro eram bravas e impacientes, a correr por entre sinuosas fragas de pedra, na altura em que circulavam os barcos rabelos, transportando pipas de vinho fino até à cidade do Porto. Verdadeira audácia dos homens dos rabelos, tantas vezes com fins tristes, ao não conseguirem vencer a violência das águas, a empurrar as embarcações por entre labirintos de fragas agrestes e cortantes.
O silêncio só é quebrado pelo chilrear das aves ou pela passagem do comboio junto ao rio.

Até chegar a Covelinhas a vegetação, cheia de abismos desafia as leis do equilíbrio, e neste período de Outono, os laranjas, os verdes, os castanhos, a imensidão de vinhas, arbustos e cactos floreados enfeitam a paisagem, a prova da vitalidade da natureza muito bem adornada pelo homem.

Chegamos a Covelinhas, aldeia pacata do Douro norte com uma natureza intensa em vinhas e laranjais, sem poluições sonoras, em simbiose harmoniosa com o rio Douro .
Uma aldeia em declive possuindo a cada esquina verdadeiros miradouros para o Douro e maciços montanhosos envolventes. Um verdadeiro refúgio de paz e beleza, onde o ar que se respira, a pequena enseada ribeirinha a penetrar aldeia adentro e a graciosa estação de caminhos de ferro bem podem caracterizar este espaço como um dos principais encantos paradisíacos do Douro.

O turismo do Douro procurando investir nos territórios mais paisagísticos, naturais e sossegados, ainda não sentiu que, para o homem citadino envolvido no intenso stress, desejando reconfortantes férias, possui em Covelinhas um espaço único que o devolve à natureza pacífica, proporcionando o descanso de tempos primitivos, como quem volta ao ser lar depois dum dia altamente trabalhoso.



publicado por valores-do-douro-sul às 21:42 | link do post | comentar

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

Rancho Folclórico de Arna...

A feira Aquiliniana da La...

Barqueiros, o Douro e o C...

Voltando às lagaradas de ...

Da estação da Alegria no ...

As Lagaradas de Celeirós ...

Linha férrea do Douro: da...

Favaios, festa vinhateira...

O Grupo de concertinas de...

O Vesúvio no Douro

Linha do Douro entre Arno...

Homens de Portugal

Os Bailes

A Roga de Provesende

A festa vinhateira de Bar...

Grupo Musical Duriense "A...

Grupo de tocadores de con...

O Grupo de Cantares de Ba...

Esta noite é de Janeiras ...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Jazz - tributo a Benny Go...

Marcha do concelho de Tab...

O Hino da Banda de Sendim...

Banda Filarmónica de Lal...

Tuna de Tabuaço - interpr...

Património Imaterial do D...

Um casal bem disposto - a...

Coro da Santa Casa da Mis...

O Grupo de Cantares de Ba...

Os bombos e Gigantones na...

Primavera no Vale da Ferr...

O Douro e a Orquestra lig...

O Douro e a Orquestra lig...

O comboio histórico do Do...

A orquestra de Medrões e ...

Venham visitar o nosso Do...

Um passeio de eléctrico n...

Ourém, a Via Sacra - 2ª p...

Ourém, a Via Sacra - 1ª p...

Um passeio pela Régua, Co...

O grupo de cantares de Fo...

O Inverno na Barragem de ...

A Queima do Diabo em Brag...

O Carnaval dos caretos em...

As rusgas nas Feiras Nova...

Feiras Novas em Ponte de ...

tags

"grupo de cantares de s. miguel"

11 de setembro

a crise de valores

a estação de caminhos de ferro do vesúvi

a luta

a sé e a srª dos remédios

a vida

accordeonista

alexandre fandino

alma feminina

almas do douro

alto da escrita

amigos

amizade

andar a pé

antónio cabral do douro

antónio canotilho

arcozelo da torre

armamar

arnas

associação cultural rio távora

associação de acordeonistas do távora e

banda filarmónica de lalim

banda filarmónica de nagoselo do douro

banda filarmónica de pinhel

barco douro

barco moliceiro

barcos

barcos tabuaço

barqueiros e o douro

barragem de bagaúste

barragem do vilar

barragens do douro

bombos barcos

caça fotográfica

caminhar

cantadores de janeiras

cantadores de janeiras de s. marta de pe

cantigas populares

caretos de bragança

carnaval de bragança

carnaval de lazarim

carrazeda de anciães

castelo

castelo de ourém

cavalhadas de vildemoinhos

ciclovia do dão

cidadania; civismo

coimbra e o mondego

coisas simples da vida

comboio a vapor

comboio a vapor do douro

comboio do douro

comboio histórico do douro

comboio régua a lamego

comboio vapor

concertinas de riodades

concerto de amor

contadores de histórias do douro

coração do porto

coro santa casa misericórdia matosinhos

covelinhas

covelinhas e pinhão

crueldade

cultura no douro sul; turismo no douro s

douro

douro vinhateiro

farminhão

feira aquilineana da lapa

feiras novas

ferradosa

festa vinhateira de barcos

festas

folclore

granjal

grupo coral de barcos

grupo de cantares de constantim

grupo de cantares de fornelos

grupo de cantares de vila real

hino

lamego

linha do douro

moimenta da beira

nossa senhora da agonia

nossa senhora do sabroso

orquestra ligeira câmara tarouca

penedono

pinhão

ponte de lima

procissão do mar

rede

ribeira do porto

riodades

santa marta de penaguião

são joão da pesqueira

sernancelhe

tabuaço

tuna de tabuaço

via sacra de ourém

vila da ponte

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...