Quinta-feira, 19 de Julho de 2012

Em 1914 estabeleceu-se a circulação regular de comboios na linha do Vouga, entre Aveiro e Viseu.

Via estreita a estriar-se com as grandiosas máquinas a vapor, que se afirmaram até 1970, substituidas então por automotoras a diesel.
Em 1990 foi encerrado o trajecto mais frondoso da linha:o troço de Sernada do Vouga a Viseu.

A contígua linha do Dão com a rota entre Santa Comba Dão e Viseu, também encerrou. Assim, Viseu perdeu o considerável valor ferroviário com saber e experiência de 80 anos.

Foi injusto para a cidade perder estas duas linhas férreas com a enorme memória ferroviária, valores indiscutíveis ao desenvolvimento da região no século XX.

Nem sequer houve a merecida sensibilidade à criação dum núcleo museológico ferroviário representativo da memória do comboio em Viseu, por respeito a este valor histórico do progresso. Núcleo de preservação da memória do comboio e dos ferroviários, esta, profissão única da cidade criada com a implementação da linha férrea. Uma obrigação da representatividade da comunidade a dotar o merecido espaço com espólios achados das antigas locomotivas, as diversas e variadas peças, a herança férrea, de inquestionável interesse histórico e arqueológico... o legado do comboio em Viseu.

Ignoradas as vidas e história criadas por homens e mulheres que trabalharam nesta linha do comboio, descurada a importância económica que tiveram as várias profissões exercidas ao caminho de ferro, como os fogareiros, os maquinistas, os revisores, guarda fios, serralheiros, electricistas, mecânicos, chefes de estação... que ao longo das estações até Viseu contribuiram para a construção da memória colectiva do Visiense. Homens de saber e experiência com um legado de brilhantes histórias e aventuras, a enriquecer o património intelectual, experiência da pesada labuta e trabalho, das alegrias e pesadelos.

A linha do Vouga de Aveiro a Viseu  foi importante motor de desenvolvimento duma região multifacetada em termos culturais, industriais, agrícolas e paisagístico, trouxe o progresso a estas gentes, contribuindo para a prosperidade da região. Porém não companhou o impulso tecnológico que surgiu nas últimas década do século XX, consequência de más políticas de desenvolvimento a beneficiar o litoral, prejudicando o interior do País.
É de lamentar, um caminho de ferro que poderia ser rentável, com gestão equilibrada indo de encontro às necessidades  das populações locais, com a vertente turística associada.

É pena, falhou a visão do futuro, os estudos no terreno, e o enquadramento do transporte num sistema vantajoso para a companhia e população. Em vez do investimento optou-se pelo abandono e encerramento.

Linha do Vouga, património edificado no início do século XX desmoronada pela insuperável rigidez do progresso, a desrespeitar o simbolismo heroico do passado recente e o interesse social e turístico que a linha representa.

Tempos impiedosos e modernos de hoje, em que tudo se faz a ritmo acelerado, sem ponderações e reflexões, a prevalecer o interesse economicista aos valores de necessidade social e interesse económico regional, fundamentais ao progresso dos dias de hoje. 

O ser humano na verdade, ganhou riqueza e velocidade, mas... a sua estrutura física e mental não possui capacidade para acompanhar o desenfreado progresso, e assim o homem de hoje, dominado por este "TGV" descompensa e torna-se refém do novo mundo, com doenças psicossomáticas a interferirem com a sua qualidade de vida.

Após o encerramento em 1989 do troço entre Sernada do Vouga e Viseu, a Linha do Vouga conta actualmente com dois itinerários: o itinerário entre Espinho e Sernada do Vouga e o itinerário ente Sernada do Vouga e Aveiro com 37,7 kms, que apresento no filme deste post.

Quem pense que o País se desenvolve exclusivamente a partir de grandes investimentos, como o TGV e o novo aeroporto, não está actualizado  na verdadeira conjunctura nacional, estando muito provavelmente a lesar o património humano e cultural de Portugal. O País só se desenvolve se conseguir avançar no caminho do progresso como um todo. Se canalizar todos os seus recursos, ou se endividar ainda mais, para prosseguir apenas nesse caminho deixando o resto do País com infra-estruturas que não evoluíram praticamente desde a sua construção no final do séc. XIX, Portugal não deixará de ser um País subdesenvolvido.
O País precisa, hoje talvez mais do que nunca de promover, de aumentar o investimento público, para revitalizar a economia e sair da crise. Necessita de incentivar o investimento e o consumo privado e precisa especialmente de criar empregos. E para isso o investimento público em pequenos projectos diversificados ao longo do País e em vários sectores é fundamental.
O desprezo pelas necessidades das populações do interior, o encerramento, ou o conformismo com a progressiva degradação de infra-estruturas do caminho de ferro, vitais para comunidades e regiões são uma marca deixada pela gestão  de muitos políticos post 25 de Abril. 

 




publicado por valores-do-douro-sul às 19:03 | link do post | comentar

1 comentário:
De Diana Lemos a 18 de Setembro de 2013 às 22:12
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!

De facto o bichinho dos comboios está bastante presente na sua vida e imprime um gosto especial pela fotografia e vídeo como memória futura!

Bem-haja!!

Diana Lemos - Museu Ferroviário de Macinhata do Vouga


Comentar post

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

Novo blog VALORES LUSIT...

O Grupo de Cantares de Ba...

Os bombos e Gigantones na...

Primavera no Vale da Ferr...

O Douro e a Orquestra lig...

O Douro e a Orquestra lig...

O comboio histórico do Do...

A orquestra de Medrões e ...

Venham visitar o nosso Do...

Um passeio de eléctrico n...

Ourém, a Via Sacra - 2ª p...

Ourém, a Via Sacra - 1ª p...

Um passeio pela Régua, Co...

O grupo de cantares de Fo...

O Inverno na Barragem de ...

A Queima do Diabo em Brag...

O Carnaval dos caretos em...

As rusgas nas Feiras Nova...

Feiras Novas em Ponte de ...

A Vila mais antiga de Por...

Cavalhadas de Vildemoinho...

Festa religiosa de S. Joã...

Grupo de cantares de Farm...

Grupo Folclórico, Associa...

Passeio em Dezembro entre...

A estações ribeirinhas do...

O Douro em Arnozelo (V. N...

Banda Filarmónica de Nago...

Natal 2012, a banda filar...

As estações de Numão e Ve...

O Outono no Douro

Grupo de cantares de Barc...

O Outono no Pinhão

O Médico de família, médi...

A romaria da Senhora da A...

A romaria da Senhora da A...

A ribeira do Douro, no Po...

Covelinhas 2012

Regresso ao Século XX na ...

Caramulo, Tondela, a Fest...

a Linha do Vouga

Naia Tondela, o rancho fo...

Parque da cidade de Tonde...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

Grande metragem - a ciclo...

tags

11 de setembro(1)

a crise de valores(1)

a estação de caminhos de ferro do vesúvi(1)

a luta(1)

a sé e a srª dos remédios(1)

a vida(1)

accordeonista(1)

alexandre fandino(1)

alma feminina(1)

almas do douro(1)

amigos(1)

amizade(1)

andar a pé(1)

antónio canotilho(23)

arcozelo da torre(2)

armamar(1)

arnas(1)

associação cultural rio távora(1)

associação de acordeonistas do távora e (1)

banda filarmónica de nagoselo do douro(2)

banda filarmónica de pinhel(1)

barco douro(1)

barco moliceiro(1)

barcos(6)

barcos tabuaço(3)

barragem de bagaúste(1)

barragem do vilar(1)

barragens do douro(1)

bombos barcos(1)

caça fotográfica(1)

caminhar(1)

cantigas populares(2)

caretos de bragança(1)

carnaval de bragança(2)

carnaval de lazarim(2)

carrazeda de anciães(1)

castelo(1)

castelo de ourém(1)

cavalhadas de vildemoinhos(1)

ciclovia do dão(7)

cidadania; civismo(1)

coimbra e o mondego(1)

coisas simples da vida(1)

comboio a vapor(3)

comboio a vapor do douro(4)

comboio do douro(1)

comboio histórico do douro(1)

comboio régua a lamego(1)

comboio vapor(1)

coração do porto(1)

covelinhas(1)

covelinhas e pinhão(1)

crueldade(1)

cultura no douro sul; turismo no douro s(1)

custoias(1)

desporto através da fotografia(1)

dignidade(1)

douro(3)

douro no inverno; um passeio de valença (1)

douro vinhateiro(2)

eléctrico do porto(1)

encontro de família(1)

ermida(1)

escola eb(1)

escola eb são joão da pesqueira(1)

estações ribeirinhas do douro entre most(1)

estrelas de pinhel(1)

fado popular(1)

faia(1)

farminhão(2)

feira aquilineana da lapa(2)

feiras novas(2)

ferradosa(2)

festa vinhateira de barcos(2)

festas(3)

folclore(4)

granjal(2)

grupo coral de barcos(4)

grupo de cantares de constantim(2)

grupo de cantares de fornelos(2)

grupo de cantares de vila real(2)

hino(3)

lamego(2)

linha do douro(2)

moimenta da beira(5)

nossa senhora da agonia(2)

nossa senhora do sabroso(2)

orquestra ligeira câmara tarouca(2)

penedono(2)

pinhão(3)

ponte de lima(3)

procissão do mar(2)

rede(2)

ribeira do porto(2)

riodades(3)

são joão da pesqueira(6)

sernancelhe(7)

tabuaço(4)

via sacra de ourém(2)

vila da ponte(2)

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...