Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009

.__


 -----------
 
Vale bem a pena ser-mos conhecedores da sociedade açoreana.
A insularidade, o grande distanciamento do continente, as características vulcânicas com as sucessivas catástrofes provocadas pelos abalos de terra e a fúria constante do Atlântico, criou nestes uma solidariedade, um associativismo e uma cultura impar com  forte componente e influência cristã, que os distingue da população do continente, pela profunda solidez da sua sociedade, bem coesa e as instituições recreativas, culturais e de solidariedade a funcionarem em pleno.
O povo sendo insular, é muito culto, de fácil relacionamento e empatia imediata. É humilde, conservador  e hospitaleiro.
-___ -------------- ------------
De certo que nós cá pelo continente, com tantas influências externas e tantas vezes descontextualizadas da nossa cultura, correndo o risco de perda de muitas das nossas identidades, muito temos a aprender com este povo que persiste com a sua filosofia matriz e é exigente e orgulhoso da manutenção fidedigna da sua identidade.
 

 

 
Os primeiros contactos que tive com a sociedade Açoreana foi há sensivelmente 15 anos na ilha do Faial, mais propriamente na cidade da Horta, aquando dum "Congresso Nacional de Médicos de Clínica Geral" cuja realização se situou na "Sociedade Amor da Pátria", edifício conjecturado para os mais diversos eventos culturais da comunidade, e sede também de diversas actividades de lazer e ocupação de tempos livres de muitos.
Tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o Dr. Mota Amaral, na altura Presidente do Governo Regional dos Açores, na cerimónia de encerramento do evento médico a que foi convidado. Ficou-me memorizada a sua simpatia, respeito e humildade como figura política. Manifestei um elogio pelo brio e alto nível com que meus colegas, a exercer clínica nos Açores, apresentaram os temas clínicos no congresso. E mais, fiquei impressionado com o nível de organização e trabalho no sistema de saúde público dos Açores.
----------------- ----------------
A sociedade açoreana com traços e referências dominantes da cultura do continente português, assimilados logo após a sua descoberta e povoação, criou ao longo das centenas de anos de existência, e também como consequência do isolamento e distanciamento causado pelo Atlântico,   uma postura, dialéctica e identidade muito característica, que em termos de funcionalidade de sociedade, evoluiu e se diferenciou muito das novas características e posturas no continente.
A realidade conclusiva em termos sociológicos de bem estar, aponta que o bem estar biopsicosocial de toda a população duma determinada região depende não só da estabilidade do emprego e razoabilidade do seu poder económico,  do sustento em bases sociais, quer seja no ensino, saúde ou segurança social, mas também na afirmação, integração e funcionalidade noutras infra-estruturas essencialmente de execução e traço humano, com características de animação-recreativo-culturais:  ranchos folclóricos, conjuntos típicos, grupos corais e de cantares, grupos desportivos e de ocupação de ocupação de lazeres, sessões de educação sobre temáticas, como a saúde, o ambiente, os valores, etc, etc.
 
É interessante num encontro de grupos internacionais de folclore, a diferenciação bem distinta das características dos vários agrupamentos, cujo contexto global individual, bem caracteriza a região e país de proveniência.
-------------------- ----------------------
Conforme caracterizamos na nossa mente a Região Basca de Espanha, a um território de instabilidade política e guerrilhas, também pela apresentação do grupo folclórico Danças à Milots oriundo da assinalada região, sedimentamos na mente a mesma trajectória filosófica com que caracterizamos o perfil socio-político desse espaço penisular.
O aparato das bandeiras, as espadas, o perfil da música e dança, as vestimentas, parecem traçar um certo ambiente de influência e perfil militar.
Não fosse a última parte da apresentação com trajes de inspiração medieval, ficava-me a opinião que o grupo Basco era adjectivado com uma concepção essencialmente militar.
Uma apresentação bastante contrastante com os grupos de Portugal, em que a subjectividade, a mímica facial e o poder contagiante da alma humana prevaleceu nos nossos ranchos.
--------------------------------- --------------
Itália, país do grande Império Romano, que colonizou parte da Europa, e que Era Medieval persistiu com vincadas influências culturais, deixando profundas marcas da sua cultura em todas as vertentes, seja na língua, arquitectura, artes, sociedade e governação.
O grupo oriundo da Sardenha – Itália fez uma bela apresentação, um folclore de traços também muito diferentes do nosso, todavia com trajes e danças muito medievais, mas com uma sintonia e agradabilidade interessante.
A perfeição dos trajes a adornar as lindas Damas, lembra e retrata com muita fidelidade o perfil dos rostos pintadas e abrilhantados por Leonardo Da Vinci nos seus exemplares quadros.
-------------------- ----------
É sempre bem vindo um grupo folclórico representativo duma das regiões mais longínquas de Portugal, e mais, dum País que até há poucas décadas pertencia ao Portugal Ultramarino - TIMOR
A apresentação emana alma e vitalidade do grupo, a música é agradável, se bem com traços bem indígenas e nativos. 

 

 


publicado por valores-do-douro-sul às 21:32 | link do post | comentar

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

Rancho Folclórico de Arna...

A feira Aquiliniana da La...

Barqueiros, o Douro e o C...

Voltando às lagaradas de ...

Da estação da Alegria no ...

As Lagaradas de Celeirós ...

Linha férrea do Douro: da...

Favaios, festa vinhateira...

O Grupo de concertinas de...

O Vesúvio no Douro

Linha do Douro entre Arno...

Homens de Portugal

Os Bailes

A Roga de Provesende

A festa vinhateira de Bar...

Grupo Musical Duriense "A...

Grupo de tocadores de con...

O Grupo de Cantares de Ba...

Esta noite é de Janeiras ...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Cantadores de Janeiras de...

Jazz - tributo a Benny Go...

Marcha do concelho de Tab...

O Hino da Banda de Sendim...

Banda Filarmónica de Lal...

Tuna de Tabuaço - interpr...

Património Imaterial do D...

Um casal bem disposto - a...

Coro da Santa Casa da Mis...

O Grupo de Cantares de Ba...

Os bombos e Gigantones na...

Primavera no Vale da Ferr...

O Douro e a Orquestra lig...

O Douro e a Orquestra lig...

O comboio histórico do Do...

A orquestra de Medrões e ...

Venham visitar o nosso Do...

Um passeio de eléctrico n...

Ourém, a Via Sacra - 2ª p...

Ourém, a Via Sacra - 1ª p...

Um passeio pela Régua, Co...

O grupo de cantares de Fo...

O Inverno na Barragem de ...

A Queima do Diabo em Brag...

O Carnaval dos caretos em...

As rusgas nas Feiras Nova...

Feiras Novas em Ponte de ...

tags

"grupo de cantares de s. miguel"

11 de setembro

a crise de valores

a estação de caminhos de ferro do vesúvi

a luta

a sé e a srª dos remédios

a vida

accordeonista

alexandre fandino

alma feminina

almas do douro

alto da escrita

amigos

amizade

andar a pé

antónio cabral do douro

antónio canotilho

arcozelo da torre

armamar

arnas

associação cultural rio távora

associação de acordeonistas do távora e

banda filarmónica de lalim

banda filarmónica de nagoselo do douro

banda filarmónica de pinhel

barco douro

barco moliceiro

barcos

barcos tabuaço

barqueiros e o douro

barragem de bagaúste

barragem do vilar

barragens do douro

bombos barcos

caça fotográfica

caminhar

cantadores de janeiras

cantadores de janeiras de s. marta de pe

cantigas populares

caretos de bragança

carnaval de bragança

carnaval de lazarim

carrazeda de anciães

castelo

castelo de ourém

cavalhadas de vildemoinhos

ciclovia do dão

cidadania; civismo

coimbra e o mondego

coisas simples da vida

comboio a vapor

comboio a vapor do douro

comboio do douro

comboio histórico do douro

comboio régua a lamego

comboio vapor

concertinas de riodades

concerto de amor

contadores de histórias do douro

coração do porto

coro santa casa misericórdia matosinhos

covelinhas

covelinhas e pinhão

crueldade

cultura no douro sul; turismo no douro s

douro

douro vinhateiro

farminhão

feira aquilineana da lapa

feiras novas

ferradosa

festa vinhateira de barcos

festas

folclore

granjal

grupo coral de barcos

grupo de cantares de constantim

grupo de cantares de fornelos

grupo de cantares de vila real

hino

lamego

linha do douro

moimenta da beira

nossa senhora da agonia

nossa senhora do sabroso

orquestra ligeira câmara tarouca

penedono

pinhão

ponte de lima

procissão do mar

rede

ribeira do porto

riodades

santa marta de penaguião

são joão da pesqueira

sernancelhe

tabuaço

tuna de tabuaço

via sacra de ourém

vila da ponte

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...