Domingo, 11.09.11

Hoje, 11 de Setembro, o dia marcou o mundo contemporâneo, deixando na nossa mente a verdade da crueldade dalguns seres humanos, antítese dos valores civilizacionais, culturais e do raciocínio do homem.

Optei a redacção do tema “a crueldade”, uma reflexão que deveremos ter na contemporaneidade, pois que o Mundo caminha abismalmente nesse sentido. A dignidade, os valores culturais e humanos, o mérito deverão ser repostos nas sociedades, de modo que a condução das populações seja seguida em função das referências e dos homens bons.




A consequência da desumanidade, a crueldade

Na natureza existem duas subdivisões do mundo animal:

O ser racional e o irracional.

O racional, tendo o uso da razão e do pensamento é o que tem características para decidir e determinar, consequentemente a capacidade em contrariar o seu instinto.

Assim sendo, o ser humano ao manusear o instinto em função dos seus interesses pode chegar a um espírito cruel, contrariando o instinto natural.

 

Sente-se na sociedade em muitos indivíduos, a viragem para a crueldade ao atingirem um certo patamar do conhecimento, que de modo algum é a verdade da aprendizagem escolar, mas o saber das burocracias, dos enredos, das politiquices e dos corredores palacianos.

É a na crueldade que se sente o poder mais nefasto do ser racional quando detém o poder das grandes determinações, mas que constantemente altera o raciocínio, muda de opinião, só por que no caminho sente que estrategicamente deverá estar alguém mais conivente e subordinado, nesta sociedade tão democrática num sentido, e tão feudal noutro.

 

O que sabemos é que a criança nasce em pureza absoluta, utilizando o instinto nato e actos reflexos com que se vai organizando.

Ao longo do crescimento e desenvolvimento, de acordo com as influências envolventes e as várias circunstâncias que se deparam, muitos podem evoluir para uma lógica de impiedade.


Sabemos que a referência da aprendizagem são os adultos, onde o desafecto destes, é transmitido aos pequenos, sendo sentido como o padrão normal.


Embora as teorias da psicologia sobre o consciente, subconsciente e inconsciente tenham mudado continuo com esta denominação, ou seja:
a informação e imagem apreendida no dia a dia, que nos proporciona por vezes bem-estar, infiltra-se progressivamente no nosso subconsciente, que não é tão selectivo como o consciente. Aquele não possui a capacidade imediata na subtracção dos valores menos positivos.
O subconsciente regista todas as emoções e cenários ao longo da vida, mas não possui capacidade em filtrar os diferentes níveis de pensamentos, os bons e os maus.

Assim sendo perante o stress ou contrariedades, os registos do subconsciente afloram ao consciente, e é então quando vemos no indivíduo agitação ou comportamento inexplicável.

 

A realidade é que a televisão, jogos de consola, etc… ao alcance de toda a família, as notícias e comentários deprimentes, jogos de guerra…, vão estimulando o subconsciente a desenvolver uma instintiva agressividade latente do ser humano, sobretudo dos mais novos, interferindo consequentemente na construção da estrutura da personalidade.

É esta uma causa dalguma decadência da nossa sociedade. 


Compreendamos que, para bem das configurações da estrutura emocional e intelectual dos nossos jovens há que, no futuro, em função destes erros actuais, ser criteriosos em tudo o que possa modificar nocivamente a mente dos jovens, ao estimular a instintiva agressividade.

 

A estimulação da violência, com a multiplicidade de factores negativos apreendidos e já referidos, começam a dar provar que não são as medidas correctas, pois que, violência codificada no subconsciente vai geral a tal crueldade, paradoxa da sociedade civilizacional.


É claro que por detrás de muita violência e crueldade, estão também as disfunções familiares, a proliferação de filmes violentos, inclusive os pornográficos, e são também todas estas ficções a incitar não só a imitação como também ao organizar o cérebro do jovem e a criar certamente muitos futuros adultos cruéis.

Para reflexão:
Neste nosso mundo em constante mutação de valores civilizacionais e tecnológicos, em persistentes ensaios e experiências da humanidade, para que se evolua positivamente e se possa proporcionar um mais bem estar a todos, há que retroceder a muitos dos valores das raízes culturais adquiridas ao longo de séculos. No mundo actual, há que ser-se bastante selectivo a tudo que nos envolve e aos vários cenários que se defrontam.
Há que ter, mais que nunca, como directriz mandatária o grande valor que caracteriza o homem: a sua racionalidade, e a consequente capacidade em saber filtrar mentalmente o que é nocivo para ele e para a sociedade.

 



publicado por valores-do-douro-sul às 08:40 | link do post | comentar

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

11 de Setembro - a crueld...

tags

11 de setembro(1)

a crise de valores(1)

a estação de caminhos de ferro do vesúvi(1)

a luta(1)

a sé e a srª dos remédios(1)

a vida(1)

accordeonista(1)

alexandre fandino(1)

alma feminina(1)

almas do douro(1)

amigos(1)

amizade(1)

andar a pé(1)

antónio canotilho(23)

arcozelo da torre(2)

armamar(1)

arnas(1)

associação cultural rio távora(1)

associação de acordeonistas do távora e (1)

banda filarmónica de nagoselo do douro(2)

banda filarmónica de pinhel(1)

barco douro(1)

barco moliceiro(1)

barcos(6)

barcos tabuaço(3)

barragem de bagaúste(1)

barragem do vilar(1)

barragens do douro(1)

bombos barcos(1)

caça fotográfica(1)

caminhar(1)

cantigas populares(2)

caretos de bragança(1)

carnaval de bragança(2)

carnaval de lazarim(2)

carrazeda de anciães(1)

castelo(1)

castelo de ourém(1)

cavalhadas de vildemoinhos(1)

ciclovia do dão(7)

cidadania; civismo(1)

coimbra e o mondego(1)

coisas simples da vida(1)

comboio a vapor(3)

comboio a vapor do douro(4)

comboio do douro(1)

comboio histórico do douro(1)

comboio régua a lamego(1)

comboio vapor(1)

coração do porto(1)

covelinhas(1)

covelinhas e pinhão(1)

crueldade(1)

cultura no douro sul; turismo no douro s(1)

custoias(1)

desporto através da fotografia(1)

dignidade(1)

douro(3)

douro no inverno; um passeio de valença (1)

douro vinhateiro(2)

eléctrico do porto(1)

encontro de família(1)

ermida(1)

escola eb(1)

escola eb são joão da pesqueira(1)

estações ribeirinhas do douro entre most(1)

estrelas de pinhel(1)

fado popular(1)

faia(1)

farminhão(2)

feira aquilineana da lapa(2)

feiras novas(2)

ferradosa(2)

festa vinhateira de barcos(2)

festas(3)

folclore(4)

granjal(2)

grupo coral de barcos(4)

grupo de cantares de constantim(2)

grupo de cantares de fornelos(2)

grupo de cantares de vila real(2)

hino(3)

lamego(2)

linha do douro(2)

moimenta da beira(5)

nossa senhora da agonia(2)

nossa senhora do sabroso(2)

orquestra ligeira câmara tarouca(2)

penedono(2)

pinhão(3)

ponte de lima(3)

procissão do mar(2)

rede(2)

ribeira do porto(2)

riodades(3)

são joão da pesqueira(6)

sernancelhe(7)

tabuaço(4)

via sacra de ourém(2)

vila da ponte(2)

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...