Quinta-feira, 07.07.11

São nestes quentes dias de Verão, que nalgumas das Vilas ou Aldeias históricas, contempladas com Castelos, se realizam as Feiras Medievais.
Castelos, vestígios do passado Histórico e autênticos monumentos Medievais, de beleza ímpar com uma fantástica inserção paisagística.
E são nas Feiras Medievais, nos recintos dos Castelos, que se faz a reconstituição histórica dos cenário do período medieval.
Encenações muito interessantes e instrutivas, com envolvimento de artesãos, fantoches, grupos de teatro, personagens trajadas à época, enfim, todo o ambiente que coloca o espectador num imaginário medieval.

Espectáculos oferecidos e patrocinados duma forma geral pelos dinamizadores culturais locais, são dignos de ser apreciados, pois que além do substrato cultural envolvido, quem assiste, vive intensamente a magnífica encenação propiciado, desde o simples homem da lavoura, ao intelectual mais diferenciado da cidade.
Espectáculos populares e salutares, sem bancadas de primeira ou segunda, e cada um em procurar encontrar o melhor ângulo abrangente ao espectáculo.

Afinal a nossa felicidade no lazer e a procura de bons momentos de relaxamento na colectividade, tantas vezes à mão de semear e alcance de todos,
presente em simples acontecimentos e em eventos populares ou culturais, da iniciativa  dos diversos agentes culturais.
A vida ensina-nos que a felicidade é o resultado natural da sucessão de momentos ao longo do dia, desde o brio e gosto pelas tarefas que se realizam, o dialogo de lazer com amigos e colegas de trabalho, os bons momento no final do dia com a família, ou por que não, contar o tempo que falta para o fim de semana, para se conjugarem projectos delineados: o passeio à montanha, a visita à cidade, rever amigos, familiares, enfim...

 

O encanto da vida está nos pequenos “grandes momentos”, onde expressamos sentimentos e afectividade, com uma grandiosidade exprimida por “lealdade e verdade”.
A emoção de comprar o último modelo de automóvel ou andar nos “tops da moda”, não possui o impacto sobre a profundidade do sentimento emocional e não cultiva  a arte do relacionamento humano que perdura, harmonizando-o.

Sendo os “grandes momentos” da vida o somatório dos mais pequenos momentos, qual a razão pela qual não nos deliciamos com eles?

Falta de tempo? Necessidade de trabalhar intensivamente horas a fio para conseguir pagar a prestação da casa de sonho ou do último modelo de automóvel? Ou então perseguidos pelas novidades da moda, comprar roupas a preços  escandalosos?
Assim sendo há que trabalhar, mais e mais, pois tem de se ganhar mais e mais para consumir cada vez mais.

Neste contexto, o importante da vida é a aquisição da moda, valores materiais, riqueza, ficando para trás os “grandes momentos” que emocionam, vitalizam e ligam o ser humano.

Cria-se então a sociedade materialista, desvalorizada em dignidade e afecto, proliferando então na discussão pública, a conversa fútil, sem conteúdo, ideias ou ideais.
É nos bares, cafés e restaurantes que se percepciona o mais fútil palavreado, desde o António que foi falso à mulher, o Pedro que está ligado à corrupção, ou então a Maria do Bar Cyty é a empregada mais boazona dos bares da redondeza. Conversa em que cada um faz prevalecer as suas grandiosidades: eu aguento mais a bebida que tu, tenho três mulheres..., enfim...

Foi o espírito autista e comodista que moldou e deformou muitos: “eu” sou o melhor, “eu” sou o grande, “eu” só acredito no “eu” e oriento-me em função do meu ego.

Vamos voltar ao ambiente vivido nas nossas festividades, neste caso na Feira Medieval de Santa Maria da Feira que tive a ocasião de apreciar há dois anos atrás: que felizes as centenas de espectadores ao viverem aqueles momentos com espectáculos populares, mas cheios de graça e originalidade.
Que felicidade para aqueles actores, muitos deles amadores espontaneamente a exibirem cenas maravilhosas...
Viver a vida é viver de momentos e sentimentos banais, contemplando e apreçando naturalmente a vida.
Mas o mundo como está, em que os maus dominam os bons, a corrupção comanda o bom senso e há adulteração das boas regras de civilidade e respeito, o conceito das pessoas de mérito e exemplares da sociedade, perdeu consistência.
Há poucos anos atrás, quando se utilizava o termo “é uma boa pessoa”, “é muito educado, simples, tem um grande coração”, era a denominação das pessoas exemplares da sociedade.
Hoje, o “homem bom” é por muito considerado, o parvo, o abstracto, porque... tinha mãos para se governar, subir na vida, ou fugir a impostos e não usou a esperteza para o conseguir.

Enfim..., os “xicos espertos” argumentam: coitado é um ingénuo, não se vai orientar, de boas intenções está o inferno cheio.

Assim sendo o que se observa na sociedade actual, é a desvalorização dos homens de referencia, dos homens cultos e bons, proliferando em trajectória desorientada uma sociedade doente decadente e em risco.

Mas é esta “a sociedade moderna”, repleta de tecnologia, rapidez e consumo, não se compadecendo com o valor moral do homem, da sua boa vivência em sociedade, do que é mais simples e mais o enriquece.
É o efeito dominó a alastrar-se aos países civilizados do mundo nesta competitividade tão tensa.

É tão fácil ascender-mos ao bem estar e estabilidade do homem. É apenas uma questão de ligação àquilo que é o mais elementar e básico da vida: o seguimento das pisadas que a civilização do homem apreendeu ao longo da sua existência.

 

Um simples sorriso ou olhar terno do próximo, emociona-me, pois sinto que da parte dele há sensibilidade e afecto.

Enquanto sentir-mos no próximo um olhar de afectividade, será de sentir a esperança que, com o continuar do tempo, o ser humano para sobreviver, deixará de ser escravo dos seus caprichos, e apreçará as emoções e vivências mais modestas da vida.



publicado por valores-do-douro-sul às 20:25 | link do post | comentar

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

A felicidade está nos pro...

tags

"grupo de cantares de s. miguel"

11 de setembro

a crise de valores

a estação de caminhos de ferro do vesúvi

a luta

a sé e a srª dos remédios

a vida

accordeonista

alexandre fandino

alma feminina

almas do douro

alto da escrita

amigos

amizade

andar a pé

antónio cabral do douro

antónio canotilho

arcozelo da torre

armamar

arnas

associação cultural rio távora

associação de acordeonistas do távora e

banda filarmónica de lalim

banda filarmónica de nagoselo do douro

banda filarmónica de pinhel

barco douro

barco moliceiro

barcos

barcos tabuaço

barqueiros e o douro

barragem de bagaúste

barragem do vilar

barragens do douro

bombos barcos

caça fotográfica

caminhar

cantadores de janeiras

cantadores de janeiras de s. marta de pe

cantigas populares

caretos de bragança

carnaval de bragança

carnaval de lazarim

carrazeda de anciães

castelo

castelo de ourém

cavalhadas de vildemoinhos

ciclovia do dão

cidadania; civismo

coimbra e o mondego

coisas simples da vida

comboio a vapor

comboio a vapor do douro

comboio do douro

comboio histórico do douro

comboio régua a lamego

comboio vapor

concertinas de riodades

concerto de amor

contadores de histórias do douro

coração do porto

coro santa casa misericórdia matosinhos

covelinhas

covelinhas e pinhão

crueldade

cultura no douro sul; turismo no douro s

douro

douro vinhateiro

farminhão

feira aquilineana da lapa

feiras novas

ferradosa

festa vinhateira de barcos

festas

folclore

granjal

grupo coral de barcos

grupo de cantares de constantim

grupo de cantares de fornelos

grupo de cantares de vila real

hino

lamego

linha do douro

moimenta da beira

nossa senhora da agonia

nossa senhora do sabroso

orquestra ligeira câmara tarouca

penedono

pinhão

ponte de lima

procissão do mar

rede

ribeira do porto

riodades

santa marta de penaguião

são joão da pesqueira

sernancelhe

tabuaço

tuna de tabuaço

via sacra de ourém

vila da ponte

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...