Sábado, 10.11.12

 

Médico de família, o Médico assistente

 

Valor de referencia a preservar e respeitar.

Pilar fundamental importante ao progresso da ciência médica.

Actualmente um interesse na complexidade de programas de governos?

Cuidados de saúde com ideias inovadoras aos problemas de saúde dos cidadãos?

Afinal o que é a medicina familiar e o papel do verdadeiro médico de família?

 

Bem, irei tentar esclarecer os factos:

há alguns anos fui chamado a uma consulta domiciliária, uma família que me procurou, por conselho dumas amigas, sem me conhecer na realidade. Atendi o doente e expliquei a todos o que se passava, efectuei a prescrição necessária e as recomendações a adoptar, aceitei de bom agrado o café que me ofereceram. Neste momento de relaxamento com esta família, cumprido o acto médico, a filha do paciente exclamou:

-  Sr. Doutor, a amiga que me recomendou o senhor disse-me que era o seu médico de família, porém, na realidade esperava, ao vê-lo entrar, um velhinho de mala antiga e de fato...

 Ficou desiludida? perguntei um pouco atrapalhado

-  Não, de modo algum, sabe, Sr. Doutor? hoje em dia já não vemos Médicos de Família a assistir um doente com esta prontidão e motivação.

Lembro-me em criança, o Médico que nos assistia, visitava-nos, e após um interrogatório e exame objectivo, afirmava um diagnóstico... morreu há muito tempo, e depois que habitamos aqui pela Beira Interior nunca mais tivemos um Clínico assim.

Hoje tudo é muito complicado e confuso: exames e mais exames, hospitais, e nem chegamos a saber a saber o que efectivamente se passa connosco ou com a família...

-  Mas a senhora costuma de apresentar as dúvidas aos meus colegas?

-  Eles não explicam nada, falam em linguagem de que nada entendemos. Depois nem nos examinam, não olham para nós, e só pedem exames... É pena já quase não haver Médicos com o verdadeiro perfil de Médico Assistente... estes sim, é que eram bons...

-  Mas, minha senhora, está a falar com um Médico Assistente formado em Medicina Familiar...

-  Será que este valor com estas características voltará um dia a ser uma realidade em Portugal?

 

A minha interlocutora, não estava muito convencida de que o Médico assistente, Médico de família é uma realidade, e que estava na frente dum “elemento” da “Classe Médica” que pensava já não existir.

A lembrança do velhinho simpático da aldeia que conheceu em criança, monopolizava todas as lembranças e saudades do verdadeiro Médico.

Esta história verídica, como muitas outras semelhantes que se passaram na minha vida de clínico clarifica a questão do actual tema.

 

O Médico de família, após uma abordagem ao doente, sabia o que se estava a passar com ele, possuía bons critérios de diagnóstico e resolvia tudo com metodologia e de forma prática.

 

Acabei a segunda chávena de café com os familiares da doente, despedi-me e voltei para meu consultório.

Mal iniciei a viagem, vieram-me à memoria conversas tidas entre amigos, sobre o que é o verdadeiro modelo de Médico de família ou Médico assistente.

Simplesmente o que a filha da minha paciente tinha acabado de referir de forma tão expontânea:

“tão importante como conhecer a doença é conhecer a pessoa que tem a doença”

“não existem doenças, mas doentes”

Sem esquecer este pormenor:

“mais importante do que o Médico faz, é o que o paciente pensa que o Médico está a realizar”

 

Toda esta sabedoria estava moldada na típica figura do velhinho, aquele Médico de família lembrado por aquela senhora.

 

A segunda história vem não de um paciente, mas dum médico experiente e professor, com quem conversei por diversas vezes sobre assuntos da Medicina familiar:

Colega, costumo transmitir aos meus doentes que sou Médico daqueles que se sentem mesmo mal

Como Sr. Professor? perguntei apreendido.

Veja, António José, as pessoas que se queixam de cefaleias, procuram o Neurologista. Dores de costas, vão ao Ortopedista ou Reumatologista. Se sofrem de dores no peito ou pontas precordiais, então recorrem ao Cardiologista ao Pneumologista.

Agora quando a pessoa “se sente mesmo mal”, então procuram-me directamente. Sinto-me o Médico de quando os pacientes passam mesmo mal.

 

Por associação de ideias, embora de dimensão completamente diferente lembrei-me do Sr. Ramos, o técnico de informática que assiste os meus MAC, a quem deposito toda a confiança havendo alguma avaria nos computadores.

Já lhe disse: Sr. Ramos, ao ter uma avaria no computador, não vou tentar adivinhar se é do software ou hardware, entrego-o ao senhor e é em si que deposito toda a confiança.

O Médico assistente, embora a diferentes níveis, tem algo de semelhante: a pessoa tem um problema de saúde, e ao contrario de tentar adivinhar o que tem, ou então acertar no especialista adequado, procuram-nos, e nós descodificamos os sintomas que a doença causa, diagnosticamos e, se necessário pedimos apoio do especialista.

Mas, senhor Doutor, não é fácil encontrar um Médico com tal formação. Por vezes andamos de especialista em especialista, uma autêntica bola de pingue-pongue, exames e mais exames, e no final, nem sempre resolvem o problema de saúde...

É claro, pois que, além dos diagnósticos serem assunto para clínicos, perante a procura de muitos pacientes a verdadeira via sacra de médicos a tentar encontrar o especialista certo, mais valia que procurassem o verdadeiro Médico Assistente.

 

As doenças que o Médico de Família ou Médico Assistente observa na sua rotina diária, são muitas, e constituem a melhor explicação para a sua especificidade.

Os pacientes que verdadeiramente estão doentes depressa entendem o que é a medicina familiar, e quando ela existe nesta essência procuram-na em primeiro lugar.

A cultura de especialidades em primeira instancia instalada na mente de muitos a desvalorizar a qualificação e grande valor do Médico assistente, Médico de Família ainda existe, porém observamos que o intelectual e o homem inteligente não dispensam o seu clínico de referencia.

 

Em certos serviços onde por vezes nós Médicos de Família exercemos funções e, onde não somos conhecidos (serviços de urgência) e perguntamos:

E de que se queixa mais o senhor?

já ouvi diversas vezes:

Sr. Doutor, da sua parte é só isto...

 

Mas, quando nos apresentamos num serviço como Médicos de Família, o doente denota então que podemos ajudar à resolução dos seus vários problemas de saúde, e pergunta:

Senhor Doutor, que sintomas devo ter, para ser observado por si?

Concerteza que a resposta vem daquele meu colega e professor:

- Eu trato de pessoas humanas, cada qual com as suas características e subjectividade. O doente que passa mal pode-me procurar, seja lá com que queixa seja.

Penso com consciência e reflexão.

 

Porém, é assaz importante a formação e cultura do Médico de Família.

É importante da parte deste, a competência, dedicação e compromisso com um adjectivo que se resume na seguinte frase:

- “saber tratar, querer tratar” o próximo.

- Estar ao lado dos que sofrem e sabê-los entender.

Saber dar resposta às dúvidas dos pacientes e procurar entendê-los, apoiando-os nos seus medos.

 

Quando alguém está muito doente, quem mais quer a seu lado é alguem da sua intimidade, e logo de seguida o Médico. Mas esse Médico, é o Médico Assistente, que trata sempre, seja lá qual for a doença do paciente.

É o Médico que conhece e é conhecido do paciente.

É o Médico que trata em qualquer altura e está ao lado do paciente, onde quer que esteja: no consultório, no domicílio, ou mesmo no hospital onde teve de ser internado.

Está ao lado com consciência de missão, ajudando a resolver os problemas da doença, atento às expectativas deste e da família.

 

“Quem tem muitos Médicos acaba por não ter nenhum”, diz o ditado popular.

Uma velhinha minha doente em determinada altura disse-me:

Sr. Doutor, andar de médico em médico é terrível... Não sabemos o que nos acontece, só remédios e mais remédios, exames e mais exames... Muitos médicos a tratar um doente é como muitas mulheres na cozinha: confusão e nunca mais vem a refeição.

 

A Medicina familiar, pilar da Medicina contemporânea ainda tem muito do clássico “João Semana” ou daquele velho Médico referido no início deste tema, mas com a ciência, tecnologia e informação moderna, oferecendo ao paciente o que de melhor existe na comunidade médica internacional.

O Médico assistente, Médico de família de hoje, não é um profissional com a cultura do passado. Incorpora os progressos da ciência, transmitindo-os ao paciente numa linguagem compreensível e acessível.

 

Hoje, a Medicina vive tempos de grandiosidade e progresso. Porém paradoxalmente nunca se sentiu tanta frieza e desumanização. Sente-se que o médico, tão preocupado com a doença se esquece do paciente, vítima dessa doença.

A culpa é do contexto actual da sociedade a necessitar duma postura humana diferente, a humanização e respeito na medicina, colocando o paciente em primeira linha.

 

Na ciência medica, o paciente é o protagonista, o médico terá de ser um bom protector.

O Médico de Família surge como a figura integradora, a referencia de confiança, de forma que o doente o possa abordar nas questões primordiais da saúde.

 

É o Médico de Família, o que possui a competência para avaliar o seu paciente como um todo, num abordagem completa.

É o Médico de Família que ouve, ajuda e trata o paciente.

Sentir segurança no seu Médico é de primordial importância à luta do doente para com a sua doença.

O Médico de Família, tem de ser humano e compreensivo, tem de ser técnico, actualizado e saber tratar.

 

Medicina Familiar, é a medicina centralizada na pessoa humana, e representa o que, em outras épocas se chamava Médico da casa, médico de referência, pronto para qualquer situação ou dúvida. Médico que trata da família e ajuda à resolução de problemas de saúde.

O Médico de Família, não é o Médico  do coração, do pulmão ou do cérebro, mas sim o Médico Assistente

 




publicado por valores-do-douro-sul às 21:17 | link do post | comentar

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

O Médico de família, médi...

tags

"grupo de cantares de s. miguel"

11 de setembro

1985 - comunhão em vila da ponte

a crise de valores

a estação de caminhos de ferro do vesúvi

a luta

a sé e a srª dos remédios

a vida

alexandre fandino

alma feminina

almas do douro

alto da escrita

amigos

amizade

andar a pé

antónio cabral do douro

antónio canotilho

arcozelo da torre

armamar

arnas

associação cultural rio távora

associação de acordeonistas do távora e

banda filarmónica de lalim

banda filarmónica de nagoselo do douro

banda filarmónica de pinhel

barco douro

barco moliceiro

barcos

barcos tabuaço

barqueiros e o douro

barragem de bagaúste

barragem do vilar

barragens do douro

bombos barcos

caça fotográfica

caminhar

cantadores de janeiras

cantadores de janeiras de s. marta de pe

caretos de bragança

carnaval de bragança

carnaval de lazarim

carrazeda de anciães

castelo

castelo de ourém

cavalhadas de vildemoinhos

ciclovia do dão

cidadania; civismo

coimbra e o mondego

coisas simples da vida

comboio a vapor

comboio a vapor do douro

comboio a vapor pinhão

comboio da rede à quinta das carvalhas

comboio do douro

comboio do douro foz do távora

comboio do douro quinta da romaneira

comboio histórico do douro

comboio miradouro no pinhão

comboio no ferrão; vapor no ferrão; vapo

comboio régua a lamego

comboio vapor

comunhão solene vila da ponte 2008

concertinas de riodades

concerto de amor

contadores de histórias do douro

coração do porto

coro santa casa misericórdia matosinhos

corrida de cavalos

covelinhas

covelinhas e pinhão

douro

douro vinhateiro

farminhão

feiras novas

ferradosa

festa do 15 de agosto

festa vinhateira de barcos

folclore

grupo coral de barcos

grupo de cantares de constantim

grupo de cantares de fornelos

grupo de cantares de vila real

lamego

linha do douro

moimenta da beira

nossa senhora da agonia

orquestra ligeira câmara tarouca

penedono

pinhão

ponte de lima

procissão do mar

rede

ribeira do porto

riodades

santa marta de penaguião

são joão da pesqueira

sernancelhe

tabuaço

tuna de tabuaço

via sacra de ourém

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Locomotiva errada... a que está a circular é a 018...
Eu gosto da sua contribuição, saudações
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...