Quinta-feira, 14.05.09

Continuando no tema do Folclore

Arnas, pequena aldeia do concelho de Sernancelhe, esteve durante muitos anos isolada na geografia de Portugal, e localizada no interior de Sernancelhe.
Conservou a sua raiz cultural com o seu povo,  pouco penetrado às influências estrangeiras. Salientou-se na povoação ultimamente uma jovem nativa e estudiosa que se debruçou sobre as origens e fundamentos da cultura e tradições locais.
Criou um grupo folclórico, alicerçado na cultura e conto popular herdado das gerações povoadoras do território das Arnas - o Rancho Folclórioc das Arnas 
Na apresentação em público o Rancho Folclórico das Arnas, mostra as vivências do seu passado, vivências de um povo a exteriorizar as suas paixões e emoções, em gestos e palavras muito bem elaborados, divulgando a sua cultura oral e as tradições.
Sem dúvida que a recolha e preservação de todo este património através da apresentação da peça foi muito bem elaborado.
                                                                       Rancho Folclórico de Arnas, Sernancelhe

Esta jovem das Arnas não possuindo formação sociológica ou histórica universitária, provou ter efectuado uma verdadeira investigação folclorística, com profundo conhecimento da psicosociologia do povo das Arnas, e foi com muita paciência e dedicação que recuperou todo o património de tradições materiais e espirituais, dum mundo rural antigo pouco alfabetizado, espontâneo, com os sentimentos de alegria, tristeza ou paixão, de tudo quanto pudesse aliviar a alma e esquecer as agruras da vida
 
 
Cantar, tocar e bailar – recolha, investigação, preservação e divulgação da literatura oral e tradicional – é o trabalho do grupo das Arnas a desejar conservar as virtudes admiráveis do seu povo, almas nobres, cheias de poesia a representar com naturalidade/instinto o quanto a vida tem de belo.
 
 Denota-se na apresentação os velhos costumes beirões em hábitos alimentares, amanho do linho, cantorias e versos e os encontros familiares ou em romarias.
 
Povo muito ligado às lides da terra e da cultura e trabalho do linho, laborioso, lutando pelo pão nosso de cada dia e posse das suas propriedades.
Depois, após o árduo trabalho do dia a dia, deixa-se compenetrar por uma sensação de bem estar e paz, de onde emanam frases da sua religiosidade misturadas com crenças e superstições mas com um fundo original. 
 
 Folclore, uma cultura que nos acompanha e interfere na nossa vivência do dia a dia, a história dum povo, a vivência dinâmica duma sociedade que se vai recriando em cada época, em função do estado civilizacional e cultural de cada tempo.
Folclore, uma homenagem ao nosso povo, que possui um ritual ou cantiga para cada circunstância da vida, sendo um atributo importante da transmissão civilizicional para os vindouros.
 
 
 Neste texto, além de dar os parabéns à Ana Cristina Dias das Arnas, também lhe quero avivar (bem o sabe e bem o tem executado) que a literatura oral e tradicional está ainda muito viva e bem presente na alma e coração das pessoas idosas da aldeia, que muito se deliciam em saber que há quem as oiça, pelas suas histórias de criança e vivências da juventude.
Continue a recolher todos estes dados, pelo muito que contribuem para representar a História das Arnas, de Sernancelhe.


publicado por valores-do-douro-sul às 23:17 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Domingo, 10.05.09

 

Até finais da década de 20 do século passado a população do nosso Douro Sul vivia numa verdadeira azáfama cultural popular, essencialmente nos Dias de Festa, Romarias e Domingos, mas também durante a labuta do trabalho, cantando, alegrando as tarefa dos trabalho e improvisando verdadeiros teatros populares onde se mostravam os verdadeiro talentos artísticos da aldeia.
 Em cada aldeia deste nosso interior havia sempre bom cantador ou então uma concertina, que a qualquer momento improvisavam um cenário alegre de danças e cantares.

Rancho Folclórico de Sernancelhe
Nos períodos de trabalho mais intenso, seja nas vindimas, no pisar do vinho, arranque das batatas ou malha do centeio a recompensa ao final do dia por um trabalho exaustivo simbolizava-se com uma verdadeira e espontânea festa.
Eram os pontos positivos da interioridade e isolamento da Beira Interior e Douro na altura: as actividades lúdicas do povo diversificadas de aldeia para aldeia com as suas características expressividade, dotes vocais, instrumentais e danças.
Eram os valores culturais locais a proliferarem e pulularem nos seus habitats, fruto do saber e da inteligência do povo, e das experiências de vida adquiridas ao longo dos últimos séculos.
 Todavia, com o progresso tecnológico e a grande revolução industrial, houve progressivas mudanças nesta forma de estar e viver do interior, e todos estes valores foram sucessivamente ultrapassados pela concorrência de máquinas de músicas comerciais, cada vez com menos identidade, colocando em risco toda a sabedoria e valores adquiridos pelos nossos antepassados.
O primeiro dispositivo de música gravada capaz de seduzir e atrair populações foi o gramofone, onde os mais ricos investiram, transportando para as suas quintas este instrumento tecnológico capaz de substituir grupos humanos musicais.
Depois vieram os gira-discos com poderosos altifalantes, capazes de entoarem os sons para grandes aglomerados populacionais, autêntica farpa no coração dos grupos corais e folclóricos regionais.
 Todo o entusiasmo nestas novas e modernas formas de divulgar a música gravada, tantas vezes descaracterizada e não adaptada às características duma determinada população, fizeram com que as Comissões de Festas e Organização de Eventos, procurassem contratar todo este tipo de maquinetas altamente sofisticadas, cheias de luzes coloridas e sons barulhentos das músicas capazes de se ouvir a centenas de metros.

Concerteza que todo este entusiasmo tem a ver com o prestigio da modernidade a quererem prevalecer.

 

Enfim é o progresso a exigir uma adaptação activa do homem ao meio. É pena, evoluir tecnicamente sacrificando tudo o que pode dar beleza à vida e à alegria do ser humano. É imprevisível provavelmente ainda perante esta série de mudanças que caminhos se irão mirar perante os nosso vindouros.

Todavia no nosso interior já se volta a estabelecer uma verdadeira aliança entre as festas religiosas e os grupos corais, musicais e folclóricos tradicionais.

De certeza uma esperança e uma nova filosofia de pensamento para aqueles que sentem na revitalização dos costumes e tradições, o encontro com o seu bem estar, equilíbrio emocional e estabilidade neste lindo mar de montanhas do Douro e Beira



publicado por valores-do-douro-sul às 19:28 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 26.10.08

 Tema apresentado em filme legendado

 ------------------------------------------ ---------------------------------------------------------


publicado por valores-do-douro-sul às 09:47 | link do post | comentar | ver comentários (6)

Quinta-feira, 23.10.08

 

 

O património cultural muito sui generis da nossa cultura tradicional é elemento indissociável da da nossa identidade colectiva.

 

As tradições dos cânticos, os sons, as festas, os rituais, os dialectos, que na nossa Beira Interior são tão diversificados de aldeia para aldeia, a música, a dança, a gastronomia, os jogos populares, assim como os espaços culturais com eles associados, são uma herança cultural, transmitida de geração em geração.

 

Todos estes elementos são utilizados pelos homens para sobreviverem juntos enquanto cultura ou sociedade. No entanto, são elementos culturais vulneráveis. Muitos já desapareceram e outros correm o risco de se perderem no tempo. É necessário promover as mais diversas formas culturais, no sentido de as valorizar e preservar.
A tradição vocal, é memória da comunidade, com as lendas, os contos, dos dizeres, da poesia e da literatura popular.
As típicas cantigas e cantares, ainda  se conservam no presente e memória de muitos. Todavia é importante salvaguardar a transmissão, para que a sua continuidade esteja assegurada

 

 

O filme apresentado é apenas um exemplos das tradições e artes populares, que constituem  o nosso património humano.
Compete a nós todos salvá-lo e preservá-lo, para que um dia a nossa identidade Beirã ainda se mantenha firme nas raízes culturais da população
.



publicado por valores-do-douro-sul às 20:44 | link do post | comentar | ver comentários (3)

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

Folclore Arnas, SERNANCEL...

Folclore de SERNANCELHE

GRANJAL Sernancelhe - Pro...

GRANJAL - sabedoria popul...

VILA DA PONTE - o Povo ca...

Srª da LAPA - Acordeonist...

Srª da LAPA - Cantares po...

tags

11 de setembro(1)

a crise de valores(1)

a estação de caminhos de ferro do vesúvi(1)

a luta(1)

a sé e a srª dos remédios(1)

a vida(1)

accordeonista(1)

alexandre fandino(1)

alma feminina(1)

almas do douro(1)

amigos(1)

amizade(1)

andar a pé(1)

antónio canotilho(23)

arcozelo da torre(2)

armamar(1)

arnas(1)

associação cultural rio távora(1)

associação de acordeonistas do távora e (1)

banda filarmónica de nagoselo do douro(2)

banda filarmónica de pinhel(1)

barco douro(1)

barco moliceiro(1)

barcos(6)

barcos tabuaço(3)

barragem de bagaúste(1)

barragem do vilar(1)

barragens do douro(1)

bombos barcos(1)

caça fotográfica(1)

caminhar(1)

cantigas populares(2)

caretos de bragança(1)

carnaval de bragança(2)

carnaval de lazarim(2)

carrazeda de anciães(1)

castelo(1)

castelo de ourém(1)

cavalhadas de vildemoinhos(1)

ciclovia do dão(7)

cidadania; civismo(1)

coimbra e o mondego(1)

coisas simples da vida(1)

comboio a vapor(3)

comboio a vapor do douro(4)

comboio do douro(1)

comboio histórico do douro(1)

comboio régua a lamego(1)

comboio vapor(1)

coração do porto(1)

covelinhas(1)

covelinhas e pinhão(1)

crueldade(1)

cultura no douro sul; turismo no douro s(1)

custoias(1)

desporto através da fotografia(1)

dignidade(1)

douro(3)

douro no inverno; um passeio de valença (1)

douro vinhateiro(2)

eléctrico do porto(1)

encontro de família(1)

ermida(1)

escola eb(1)

escola eb são joão da pesqueira(1)

estações ribeirinhas do douro entre most(1)

estrelas de pinhel(1)

fado popular(1)

faia(1)

farminhão(2)

feira aquilineana da lapa(2)

feiras novas(2)

ferradosa(2)

festa vinhateira de barcos(2)

festas(3)

folclore(4)

granjal(2)

grupo coral de barcos(4)

grupo de cantares de constantim(2)

grupo de cantares de fornelos(2)

grupo de cantares de vila real(2)

hino(3)

lamego(2)

linha do douro(2)

moimenta da beira(5)

nossa senhora da agonia(2)

nossa senhora do sabroso(2)

orquestra ligeira câmara tarouca(2)

penedono(2)

pinhão(3)

ponte de lima(3)

procissão do mar(2)

rede(2)

ribeira do porto(2)

riodades(3)

são joão da pesqueira(6)

sernancelhe(7)

tabuaço(4)

via sacra de ourém(2)

vila da ponte(2)

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...