Segunda-feira, 25.07.11

Chegou o dia 23 de Julho, e até Outubro, o Douro vive a nostalgia de décadas do século passado.

É da Régua ao Tua que circula o comboio a vapor.

São infindáveis paisagens de vinhedos muito bem acomodados pelos característicos socalcos, circunscritos por elevações montanhosas, tendo com plano de fundo o inquieto rio Douro, acalmado pelas sucessivas barragens construídas e que o tornaram navegável às embarcações turísticas.

Paisagens repletas de histórias de tempos diferentes ao ritmo do vapor.

O silêncio do vale do Douro, só quebrado pelo silvo do vento e o ruído das embarcações que por lá passam, vê-se interrompido por profundos e contínuos sibilos, mais parecendo assobios, a relembrar sinais de algumas décadas passadas.

 

É o passado a ser revivido com precisão neste novo mundo, no mesmo palco profundo, o vale do Douro.

Quem percorre a margem esquerda do Douro, entre a Régua e o Pinhão, pode acompanhar do outro lado em automóvel, o serpentear da fumaraça negra da locomotiva, subindo velozmente para a atmosfera.

Adiantando-nos à chegada do comboio ao Pinhão sentimos nos passageiros e curiosos que estão na estação, uma impaciência na chegada.

É que dentro de minutos, vai dar entrada uma enorme e potente máquina, bafejando enormes quantidades de fumo e vapor, a rebocar várias carruagens em madeira, exemplares vivos do início do século XX.

É de reconhecer a  imponênte "Maquina a Vapor" como heroica no esforço epopeico em transformar o Douro indomável e selvagem, no vale com infraestruturas de civilidade e exploração rural.

É na estação do Pinhão que este monumento vivo, afrouxa, soltando o último suspiro de energia.

Em minutos o cais de embarque é invadido por uma nuvem escura, expelida pela chaminé do comboio, uma mistura da combustão do carvão e vapor de água.

Alguns passageiros saiem para apreciar a estação ornamentada com azulejos pintados com relevos alusivos às vindimas. Figurantes vestidos a épocas festivas do século XIX, tocam cantares regionais na plataforma da estação.

 

A máquina depois de reabastecida com umas centenas de litros de água, apita.

Os passageiros votam para as carruagens, e logo depois a composição segue em direcção ao Tua.

A  força do vapor inicialmente frouxa, torna-se em poucos segundos mais audaz e potente.

E foram estas máquinas, à força da lenha e do carvão que encurtaram em tempos os cerca de 100 Km do Porto à Régua.

Em barco rabelo o percurso durava de 4 a 8 dias e com a era do vapor o tempo passou a ser de pouco mais de duas horas, com um consequente comércio a prosperar.

 

 



publicado por valores-do-douro-sul às 19:00 | link do post | comentar

António José Leitão Canotilho

Cria o teu cartão de visita
artigos recentes

23 de Julho de 2011, o re...

tags

"grupo de cantares de s. miguel"

11 de setembro

a crise de valores

a estação de caminhos de ferro do vesúvi

a luta

a sé e a srª dos remédios

a vida

accordeonista

alexandre fandino

alma feminina

almas do douro

alto da escrita

amigos

amizade

andar a pé

antónio cabral do douro

antónio canotilho

arcozelo da torre

armamar

arnas

associação cultural rio távora

associação de acordeonistas do távora e

banda filarmónica de lalim

banda filarmónica de nagoselo do douro

banda filarmónica de pinhel

barco douro

barco moliceiro

barcos

barcos tabuaço

barqueiros e o douro

barragem de bagaúste

barragem do vilar

barragens do douro

bombos barcos

caça fotográfica

caminhar

cantadores de janeiras

cantadores de janeiras de s. marta de pe

cantigas populares

caretos de bragança

carnaval de bragança

carnaval de lazarim

carrazeda de anciães

castelo

castelo de ourém

cavalhadas de vildemoinhos

ciclovia do dão

cidadania; civismo

coimbra e o mondego

coisas simples da vida

comboio a vapor

comboio a vapor do douro

comboio do douro

comboio histórico do douro

comboio régua a lamego

comboio vapor

concertinas de riodades

concerto de amor

contadores de histórias do douro

coração do porto

coro santa casa misericórdia matosinhos

covelinhas

covelinhas e pinhão

crueldade

cultura no douro sul; turismo no douro s

douro

douro vinhateiro

farminhão

feira aquilineana da lapa

feiras novas

ferradosa

festa vinhateira de barcos

festas

folclore

granjal

grupo coral de barcos

grupo de cantares de constantim

grupo de cantares de fornelos

grupo de cantares de vila real

hino

lamego

linha do douro

moimenta da beira

nossa senhora da agonia

nossa senhora do sabroso

orquestra ligeira câmara tarouca

penedono

pinhão

ponte de lima

procissão do mar

rede

ribeira do porto

riodades

santa marta de penaguião

são joão da pesqueira

sernancelhe

tabuaço

tuna de tabuaço

via sacra de ourém

vila da ponte

todas as tags

arquivos
participar

participe neste blog

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
links
blogs SAPO
comentários recentes
Ola eu sou a isabelle gonçalo e sou da bals...
Muitos Parabéns Dr. António Canotilho!!!De facto o...
Parabéns, Dr. Canotilho e mais uma vez obrigado pe...
Em nome do Grupo de Cantares de Fornelos, quero de...
Obrigado, muitos cumprimentos
Obrigado Dr Canotilho, será colocado no próximo do...
Boa tarde Sr Gabriel Obrigado pelas suas palavras,...
OláUm texto fantástico generoso pela partilha de c...
Parabéns pela página!Está estrondosamente linda e ...
Sondes tonos
E muito bonito
Olá Uma excelente e oportuna reflexão... um texto ...
O granjal e terra mais bonita nas tradisoes
Son una buena banda a mi parecer los escuche una v...
Sem palavras!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Maravilhoso todo...
Obrigado.Vou avaliar e apreciar o seu blogCumprime...
Muito interessante este seu blog.:)
olá Sr. Doutor... como sempre está de parabéns!!!!...
O TEATRAÇO - Teatro Amador de Tabuaço - agradece a...
Um registo que apazigua as saudades de alguns do l...